Vilas Magazine
Lauro de Freitas
+26°C

Máx +29°

Mín +25°

Dom, 02.02.2014

Antimanual de como criar os filhos

Reinaldo José Lopes / Folhapress - Em 02/11/2016

Pesquisadora americana que estuda a ciência da criação diz que tentar moldar os filhos como gostaríamos e entupi-los de atividades é, basicamente, inútil
 
Quem está à procura de um manual simples e prático para transformar seus filhos pequenos em crianças obedientes, estudiosas e com um futuro financeiro brilhante pela frente não deveria nem abrir o novo livro da psicóloga americana Alison Gopnik, da Universidade da Califórnia em Berkeley – a não ser que esteja disposto a mudar radicalmente de ideia a respeito do que significa “criar bem” um ser humano.
 
“Do ponto de vista da evolução, tentar moldar conscientemente como seus filhos ficarão quando adultos é tanto fútil quanto autoimplosivo”, escreve a pesquisadora, sem meias palavras, em “The Gardener e the Carpenter” (“O Jardineiro e o Carpinteiro”, ainda sem versão para o português). 
 
O título da obra é, ao mesmo tempo, sua metáfora central. Carpinteiros, diz a pesquisadora, são os sujeitos que desbastam e serram a madeira bruta até que ela fique exatamente com o formato desejado (o de uma cadeira, por exemplo). 
 
Jardineiros, por outro lado, podem até fazer alguns truques ornamentais com sua tesoura de jardim, mas simplesmente não têm como controlar o crescimento das plantas: o máximo que podem fazer é escolher um bom pedaço de solo, adubar e regar os brotos adequadamente.
 
 
A postura de Alison é, em parte, uma reação à mania do “parenting” (algo como “a arte de ser pai/mãe”), um termo cada vez mais usado nos Estados Unidos, em especial em livros de autoajuda sobre, é óbvio, a criação dos filhos. Para ela, pensar segundo as diretrizes do “parenting” (as quais, aliás, podem variar brutalmente de best-seller para best-seller) equivale a transformar o ato de cuidar de crianças numa espécie de emprego não remunerado em tempo integral, enquanto ele deve ser encarado como um relacionamento, que inclui tanto amor quanto aprendizado constante.
 
Dito dessa maneira, parece uma visão clichê, mas a pesquisadora americana, mãe de três filhos e avó de três netos, faz questão de construí-la a partir do que estamos descobrindo sobre a evolução da natureza humana e de experimentos dos principais laboratórios de psicologia do planeta.
 
Ela argumenta que boa parte das delícias e dificuldades peculiares que enfrentamos ao cuidar de crianças são resultado do ciclo de vida bastante esquisito da espécie humana (quando comparado à maioria dos demais mamíferos): cooperação entre macho e fêmea para cuidar dos bebês (e também entre parentes e vizinhos, além dos pais biológicos), infância e adolescência incrivelmente longas, fêmeas que continuam vivas por décadas após a última ovulação.
 
GÊNIOS BRINCANDO
A infância aparentemente interminável dos filhotes humanos explica, segundo Alison, a importância do ato de brincar e de fazer bagunça. Para pais que estão ficando doidos tentando deixar a casa arrumada, as brincadeiras podem virar fonte de irritação e cansaço, mas elas são as principais ferramentas usadas pelos pequenos para investigar como funcionam os mundos físico e social, além de comprovadamente melhorar a criatividade e o aprendizado. A psicóloga, portanto, é inimiga declarada da tendência moderna de entupir as crianças com atividades de todo tipo, do balé à aula de informática. Tempo para brincar sem script definido é essencial, segundo ela.
 
Aliás, quando o assunto é aprendizado, Alison afirma que é preciso desconfiar do excesso de atividades formais e curriculares não apenas porque elas cansam e fazem atrofiar a criatividade, mas também porque as crianças pequenas possuem capacidades aguçadas de decifrar o mundo à sua volta que independem da sala de aula.
 
“As crianças aprendem mais, na verdade, a partir dos detalhes inconscientes do que seus cuidadores fazem do que com qualquer manipulação consciente ligada ao ‘parenting’”, escreve. Isso vale tanto para regras morais e sociais – com crianças, a máxima “faça o que eu digo, não faça o que eu faço” quase nunca funciona – quanto para o raciocínio.
 
A falta de conselhos mais claros e específicos no livro pode parecer frustrante para quem está arrancando os cabelos com a cria complicada (“Meu Deus, como eu faço para ele parar de assistir cenas de videogame no YouTube?”), mas pelo menos é mais realista do que 99% da baboseira que lemos por aí. Não tem atalho. Não tem milagre. Muita coisa pode dar errado – ou “dar certo” de jeitos que ninguém poderia imaginar a princípio. Como genitor de dois pequenos seres humanos, este escriba se sente tentado a concordar.
 
 
BRINCAR À VONTADE FAZ BEM
FATO: Principalmente nos primeiros anos de vida, as brincadeiras livres, sem muitas regras, são a principal ferramenta dos pequenos para tentar entender o mundo e as pessoas. Deixe-as brincar à vontade o máximo possível
 
É IMPORTANTE NÃO DEIXAR SEU FILHO SEM RESPOSTAS ÀS PERGUNTAS
MITO: Falar do que você sabe com confiança ajuda a criança a aprender, mas a capacidade de ela perguntar e buscar respostas é igualmente importante
 
CRIANÇAS SÃO IMUNES A PRECONCEITOS
MITO: Logo que aprendem a falar, elas tendem a categorizar objetos, animais e pessoas com “rótulos” relativamente fechados. Por isso, é importante não reforçar ideias como “chorar é coisa de menininha”
 
CRIANÇAS NÃO SA BEM DIFERENÇA ENTRE FAZ-DE-CONTA E REALIDADE
MITO: Com meros três anos, crianças sabem que pessoas só podem falar com animais em brincadeiras, não na vida real
 
“FAÇA O QUE EU DIGO, NÃO FAÇA O QUE EU FAÇO” NÃO FUNCIONA
FATO: Crianças são muito mais sensíveis aos comportamentos que observam do que às palavras dos adultos. Não adianta dar instruções verbais se você não age como deseja que elas ajam
Publicidade
Você Viu? Nov/2017
Tribuna do Leitor Consulta
Tribuna do Leitor Correção
Tribuna do Leitor Sugestão
Tribuna do Leitor Agradecimentos
Tribuna do Leitor A burocracia dos absurdos
Veja todas as notícias de Nov/2017
Vilas Magazine© 2013. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por: Webd2 - Desenvolvimento Web