Vilas Magazine
Lauro de Freitas
+26°C

Máx +29°

Mín +25°

Dom, 02.02.2014

A gestante e o verão

Redação - Em 01/01/2017

Se a gestação não é de risco, pode-se aproveitar a praia ou a piscina sem problemas no decorrer de qualquer etapa da gravidez. Porém, determinadas precauções são fundamentais para garantir o bem estar do neném e da mamãe.
 
Os primeiros e os últimos meses são os que precisam de mais atenção. Isso porque, no começo da gestação, é normal surgirem enjôos e vertigens, que podem evoluir até um desmaio na água e ocorrer um afogamento. Nos últimos meses, a gestante já está com a barriga bastante grande dificultando em caminhar e se equilibrar, podendo acontecer uma queda.
 
 
Por conta desses e de outros riscos, a futura mamãe deve estar sempre acompanhada de outra pessoa ao entrar na piscina ou no mar, não importando a etapa gestacional.
 
É recomendado escolher praias mais tranquilas e sem ondas fortes. O perigo, nessa situação, é de a onda bater forte contra a barriga podendo ocasionar um trauma na área do abdome, o que pode gerar dor, contração no útero e, em situações mais sérias, sangramento por causa do deslocamento da placenta. É mais seguro virar de costas.
 
Na piscina, a grávida não deve entrar dando um mergulho. É prudente ter atenção para entrar e sair pela escada de acesso e ficar o mais próximo da beirada para conseguir se apoiar caso sinta algum incômodo ou mal estar. Os exercícios físicos na água são perfeitos, mas devem ser realizados exclsuivamente com a autorização do médico e de um acompanhamento. Não é recomendado ficar mais do que três horas sem se alimentar e deve intercalar tempos de descanso para beber água durante as atividades.
 
A recomendação também é importante para os exercícios realizados fora da água, que, da mesma maneira, somente devem ser feitos com autorização e acompanhamento.
 
As caminhadas são os exercícios mais recomendados para serem praticados durante a gravidez, pois ajudam a diminuir o estresse, a combater a ansiedade e a aumentar a autoestima. Alongar-se durante a manhã e no final da tarde e praticar ioga e pilates também são aconselhados. Na praia, a atenção deve ser redobrada quando caminhar em areia fofa demais, que pode gerar uma torção de tornozelo.
 
É comum as gestantes serem acometidas de câimbras. Isso acontece por três razões: mudanças posturais por causa do aumento do útero, gerando desvios de coluna; aumento das veias; e eliminação de sódio e potássio causada pela transpiração intensa. Os sintomas ocorrem com mais frequência no verão (em especial durante a manhã), já que existe o aumento das varizes e do suor demasiado.
 
É recomendado ingerir bastante água, descansar e ficar mexendo os tornozelos e os pés enquanto estiver sentada, para não deixá-los na mesma posição por muito tempo. Durante a noite, durma com os pés para cima, para auxiliar o retorno venoso.
 
Os inchaços, já frequentes durante a gestação, pioram bastante no verão. Médicos esclarecem que entre as causas, estão a dificuldade de retorno venoso devido ao excesso de peso, maior volume de sangue circulante e erros de postura (como ficar muito tempo em pé parada ou sentada sem nenhuma movimentação).
 
Pode-se aliviar esses incômodos deixando as pernas elevadas, com o auxílio de uma almofada, enquanto está dormindo, e também sentar com as pernas retas apoiadas em um banco, e caminhar algumas vezes durante os períodos mais frescos do dia, ao longo da semana, regulando o aumento de peso e utilizando meias elásticas de compressão, além de usar roupas confortáveis, mais largas, de tecidos como linho e algodão, que ajudam nos movimentos.
 
Outros cuidados que as grávidas devem observar na praia é quanto o uso do filtro solar e hidratação. Devido a fabricação dos hormônios, a gestante tem mais possibilidades de ter manchas na pele, então ela precisa sempre utilizar o protetor solar a cada duas horas no sol. A exposição aos raios solares deve ocorrer de preferência antes das 10 horas e depois das 16 horas, e nos horários de pico, ela deve se proteger sob o guarda-sol e usar boné ou chapéu.
 
A desidratação pode ocasionar mal estar, tendo como características dores de cabeça, redução da salivação, vertigens, pressão baixa e desmaios, além de infecção urinária, que, caso piore, ocasiona um risco maior de trabalho de parto prematuro. A recomendação é beber, até dois litros de água filtrada diariamente e beber água mineral apenas de garrafa fechada.
 
Outras recomendações são não ficar tanto tempo com o biquíni molhado (isso ocasiona umidade na parte íntima, proporcionando o desenvolvimento de fungos e podendo causar infecções vaginais, como é o caso da candidíase), e não consumir alimentos em barracas clandestinas e de ambulantes. Dê preferência a alimentos menos pesados e não coma frituras. Opte, também, pelos sorvetes de fruta; corra do pico de sol e do calor demasiado, que gera vasodilatação, podendo provocar uma redução da pressão arterial e inchaço.
 
E sempre leve consigo o cartão prénatal, caso necessite se consultar com um clínico.
Publicidade
Vilas Magazine© 2013. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por: Webd2 - Desenvolvimento Web