Vilas Magazine
Lauro de Freitas
+26°C

Máx +29°

Mín +25°

Dom, 02.02.2014

Caminhada da Paz referencia Santa Dulce dos Pobres

Redação Vilas Magazine - Em 31/10/2019

Fiéis católicos de Lauro de Freitas participaram da quarta edição da Caminhada da Paz com a relíquia de Irmã Dulce dos Pobres – canonizada em outubro como Santa Dulce dos Pobres. O fragmento de um osso do “anjo bom da Bahia” saiu da Igreja Matriz de Santo Antônio de Portão em direção a Paróquia Nossa Senhora Aparecida, no bairro de Itinga, onde permaneceu por 14 dias. Os mais de sete quilômetros da caminhada atravessaram a cidade, de Portão a Itinga, pela devoção e fé à Santa baiana.
 
Antes de iniciar a jornada com pedido de paz e celebração à canonização da Beata Dulce, o público se reuniu no interior da Paróquia Santo Antônio de Portão para o momento de benção com intercessão de São Miguel Arcanjo. Durante a caminhada, a maior parte dela pela Estrada do Coco, fiéis entoaram canções para a que viria a ser a primeira santa baiana.
 
Uma missa foi celebrada na quadra da Igreja Nossa Senhora Aparecida, em Itinga, ao fim da Caminhada da Paz. O pároco de Portão, Rogério da Silva, relatou durante seu sermão a alegria de caminhar em nome da religiosa católica que fez muitas ações de caridade para quem mais precisava. “Devemos mergulhar na mesma misericórdia de Irmã Dulce”, disse – “fazer o bem, sem olhar a quem”. Também no púlpito montado na quadra, o pároco de Itinga Tiago Kern, ressaltou “a união entre os fiéis de cada bairro, como sinal de demonstração de amor puro ao próximo”.
 
Homenagem a Santa Dulce dos Pobres lota Fonte Nova e fortalece o turismo religioso
Nas camisas, nos olhos, nos corações. A fé em Irmã Dulce, agora Santa Dulce dos Pobres, canonizada no domingo, 13 de outubro, atraiu milhares de fiéis à Arena Fonte Nova, em missa celebrada pelo arcebispo primaz do Brasil, dom Murilo Krieger, no domingo seguinte.
 
O governador Rui Costa participou da celebração, acompanhado da primeira-dama e presidente das Voluntárias Sociais da Bahia (VSBA), Aline Peixoto, e de José Maurício Moreira e Cláudia Araújo, que receberam a graça da cura, reconhecida pelo Vaticano.
 
Para Rui, Santa Dulce dos Pobres está acima das religiões pela generosidade, história e cuidado com o próximo. “Com a canonização de Santa Dulce dos Pobres, a Bahia torna-se uma referência ainda maior do que já é da fé, com suas mais de 300 igrejas, como a do Bonfim, de Nossa Senhora da Conceição da Praia, do Rosário dos Pretos e de São Francisco. Isso vai ser muito bom também para reforçar o destino religioso que é a nossa capital”, afirmou o governador.
 
O turismo da Bahia, lembrou o secretário de Turismo, Fausto Franco, é plural e o turismo religioso faz parte desse conjunto. “Este é um turismo independente da alta estação, de estar chovendo ou fazendo sol. E as pessoas que fazem turismo religioso têm como característica retornar outras vezes ao destino. A Bahia é muito rica na cultura religiosa. É um mix que a Bahia oferece e faz com que sejamos um estado muito especial”, acrescentou.
 
A superintendente das Obras Sociais Irmã Dulce (Osid) e sobrinha de Santa Dulce dos Pobres, Maria Rita Lopes Pontes, disse que a canonização fortalece a obra e permite que a missão de Irmã Dulce seja ampliada. “Não é somente o atendimento de saúde. A gente tem que acolher bem as pessoas que chegam para conhecer a história de Irmã Dulce e o seu memorial”. A instituição realiza 2,2 milhões de atendimentos ambulatoriais por ano e 12 mil cirurgias.
 
SANTA DULCE DOS POBRES
Irmã Dulce nasceu em 26 de maio de 1914, em Salvador. Aos 7 anos, perdeu a mãe e, aos 13 anos, já acolhia mendigos e doentes na casa onde morava com o pai e os irmãos, no bairro de Nazaré, na capital baiana. A vida religiosa começou aos 18 anos, quando, após se formar como professora primária, ingressou na Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus.
 
Somente aos 19 anos, em 13 de agosto de 1933, recebeu o hábito de freira e adotou o nome de Irmã Dulce em homenagem à mãe, que se chamava Dulce Maria. Naquele mesmo ano, ela viveu seis meses em São Cristovão (SE) e depois voltou para Salvador. Em 1935, iniciou a assistência à comunidade carente, sobretudo nos Alagados, conjunto de palafitas que foi formado no bairro de Itapagipe, na capital baiana.
 
Em 1939, Irmã Dulce invadiu cinco casas, em um local de Salvador conhecido como Ilha dos Ratos. Nos imóveis, acolheu enfermos e desabrigados. Ainda na década de 30, ajudou operários do bairro de Itapagipe, em Salvador, a formarem a União Operária São Francisco. Logo depois, juntamente com Frei Hildebrando Kruthaup, fundou o Círculo Operário da Bahia
 
Junto aos trabalhadores, ela inaugurou um colégio para os filhos dos operários e ainda ajudou a fundar os cinemas Plataforma e São Caetano, além do Cine Teatro Roma; a renda obtida nos cinemas contribuía para a manutenção do Círculo Operário.
 
Na década de 60 transformou um galinheiro do Convento de Santo Antônio em albergue. Mais tarde, o lugar deu origem ao Hospital Santo Antônio, no Largo de Roma, em Salvador, e às obras sociais que levam o nome dela
 
Em 13 de março de 1992, faleceu em Salvador. Em 2011, foi nomeada beata. Em 13 de outubro de 2019 foi canonizada e se tornou santa com o nome Santa Dulce dos Pobres.
 
BEATIFICAÇÃO
Irmã Dulce foi beatificada em 2011, após ter o primeiro milagre reconhecido. A graça alcançada foi a recuperação de Cláudia Araujo, que teve uma grave hemorragia pós-parto e cujo sangramento subitamente parou, sem intervenção médica. Após beatificada, Dulce Lopes Pontes passou a ser chamada ‘Bem-aventurada Dulce dos Pobres’.
 
Para ser considerada santa, Irmã Dulce precisaria ter um segundo milagre reconhecido, o que ocorreu em maio deste ano. O miraculado, o maestro soteropolitano José Maurício Moreira, voltou a enxergar após fazer uma oração para a então beata. Ele teve glaucoma e começou a perder a visão em 1999. Em 2000, ele já estava cego, mas voltou a enxergar em 2014. 

 

Publicidade
Vilas Magazine© 2013. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por: Webd2 - Desenvolvimento Web