Artesanato de Sucupió segue em exposição no Parque Shopping

0
817
artesanato inedito em lauro de freitas
Foto: Divulgação

Peças inéditas de artesanato, fabricadas com diferentes técnicas e designs, estão expostas no Parque Shopping Bahia, em Lauro de Freitas, até o dia 13 de abril. O evento faz parte do projeto Rede Asta Exposição, Design e Sustentabilidade, que reúne 35 pessoas inscritas, promovendo a cultura e a história dos artesãos da comunidade de Sucupió, em Catu de Abrantes.

O objetivo da exposição, que conta com 30 peças, é a valorização do polo produtivo de Sucupió, que há mais de duas décadas beneficia cerca de 300 pessoas da comunidade com trabalho e renda vindos do artesanato. A principal técnica desse grupo é o “Trançado” feito com a matéria-prima Tala do Dendê, extraída na região. 

Atualmente, existem cerca de 23 unidades produtivas artesanais presentes em Camaçari, que passaram pela transformação do negócio para se tornarem um empreendimento viável e sustentável. 

Para Tania Oberding, diretora Industrial do Complexo Acrílico da BASF em Camaçari, essa ação faz parte da estratégia de engajamento social da empresa, que impacta positivamente a região ao conectar a possibilidade de solução de desafios sociais à estratégia de negócio. ‘‘Pretendemos aliar a geração de valor econômico de forma a criar também valor para a sociedade com o enfrentamento de necessidades e desafios”, conta.

Durante meses, o grupo recebeu mentoria de diversos profissionais do ramo, a exemplo do designer baiano Rodrigo Lira, que há mais de 20 anos se dedica ao Design ligado ao artesanato. Além das técnicas para o desenvolvimento das peças, o grupo ainda absorveu conceitos e conteúdos técnicos, como logística e precificação.

O grupo de trabalho atuou também no levantamento das demandas das unidades de produção, com o objetivo de compreender a rede de pessoas que trabalham no suporte (galpões) e como funcionava toda a cadeia produtiva – até a chegada do produto na frente da loja (venda). 

“Esse projeto é muito gratificante. Veio expandir nosso trabalho, porque muitas pessoas não sabem o que a gente faz. A gente vai aprendendo coisas novas, fazendo coisas novas. Estou gostando muito”, afirma a artesã Sileusa Fonseca de Souza, filha de dona Lourdes, que trabalha há 23 anos na comunidade, vivendo do artesanato.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui