terça-feira, fevereiro 27, 2024
Prefeitura de Lauro de Freitas
InícioEspaço AbertoBahia: Terra sem lei ambiental

Bahia: Terra sem lei ambiental

Na proteção do meio ambiente, cabe à União, como estado, a edição das normas gerais para padronização nacional da legislação ambiental nos vários biomas brasileiros. Os estados ficam responsáveis pela suplementação da legislação federal nas suas áreas e assim conceder as licenças ambientais.

O estado da Bahia teve sua legislação ambiental quanto ao licenciamento ambiental anulada pelo Supremo Tribunal Federal, pois a lei ambiental estadual é menos restritiva que a legislação federal na ADI 7.007. Com esse entendimento, o Plenário do Supremo Tribunal Federal manteve a suspensão de dispositivos de uma lei da Bahia sobre licenciamento de empreendimentos ou atividades nas faixas terrestres e marítimas da zona costeira.

O ministro Ricardo Lewandowski já havia concedido liminar neste sentido recentemente.

A lei estadual nº 10.431/2006 deu à Bahia a possibilidade de delegações genéricas para os municípios emitirem licença ambiental e autorização de supressão de vegetação em área de Mata Atlântica em qualquer estágio de regeneração. O procurador geral da República, Augusto Aras, acionou o STF contra a regra.

“Encontrando-se disciplinadas as esferas de competência dos entes federativos pela legislação federal, não caberia ao estado-membro imiscuir-se no regramento geral nacional, para estabelecer nova hipótese de autorização de empreendimento em área de vegetação secundária em estágio médio de regeneração”, argumentou o procurador.

Com esta decisão o relator constatou invasão na competência da União: “A matéria disciplinada pelas normas impugnadas demanda tratamento nacional e uniforme”.

Lewandowski ainda indicou que os trechos da lei estadual não são mais protetivos do que a legislação federal. Desta forma, os municípios que possuam conselho de meio ambiente podem emitir pareceres favoráveis aos empreendimentos, desde que sigam a lei federal.

Na Lei Complementar nº 140, de 2012, na área urbana.

“Art. 139. Depende de prévia autorização do órgão executor da Política Estadual de Meio Ambiente:

§ 2º. Fica delegado ao órgão executor da política ambiental do município, que possua conselho de meio ambiente, a prática dos atos administrativos, desde que cumpridos os requisitos, como previstos no § 3º do art. 14 da Lei Federal nº 11.428, de 22 de dezembro de 2006, nos processos de licenciamento ambiental de impacto local e autorização de supressão de vegetação nativa para todos os estágios de regeneração da Mata Atlântica, na área urbana”.

(Redação dada pela Lei 13.547/2015)

Com esta decisão, confirmada por unanimidade pelo Pleno, fica revogada a lei ambiental do estado da Bahia, se passando a competência aos municípios, desde que eles cumpram a lei federal.

Carlos Alberto de Castro (Bhava), biólogo e consultor ambiental.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- P u b l i c i d a d e -
Google search engine

EM ALTA

COMENTÁRIOS RECENTES

Eduardo Maia Perez em Nosso protagonismo em ano eleitoral
Cesar Oliveira em Consulta
REMCA -REDE DE MOBILIZAÇÃO PELA CAUSA ANIMAL em Liga da Política completa 60 entrevistas
Ludmila dos Prazeres Costa em Liga da Política completa 60 entrevistas
Cleiton em Abandono
Cleiton em Garota Itinga
Cleiton em Garota Itinga
Luciana em Abandono
Rita Cássia Fernandes Daltro de Castro em Revista Ano 24 | Edição 287 | Dezembro 2022